A Internet é uma anedota III

Como não podia deixar de ser, a guerra dos dados começou, uma vez que é o principal capital das redes sociais, mais do que principal, é o seu único valor, nomeadamente o Facebook e a Plaxo entraram na guerra importando dados de uma plataforma para a outra, o que é muito divertido para mim.

Não faria sentido que a propriedade dos dados pertencesse ao utilizador e não à plataforma? Vejamos se todo o castelo de cartas vai cair, lembremo-nos que hoje o Facebook vale 15.000M$, ou seja, o mesmo que o Terra pagou pelo Lycos, uma coincidência curiosa, não é?


Comentários

3 comentários para "A Internet é uma anedota III”

  1. Penso que é uma vergonha que vendam ou transmitam os dados dos utilizadores uns aos outros como se fôssemos gado.
    Mas é claro que, ao inscrever-se, ao clicar em "Aceito" neste documento que ninguém lê, está a aceitar isso mesmo.
    A LOPD não tem nada a dizer sobre isto?

  2. Mas isso vai voltar a assombrá-los, quer dizer, um site é avaliado pelo número de utilizadores, mas esses utilizadores são públicos, pelo que qualquer pessoa pode importar os seus perfis, neste caso do Facebook, e incorporá-los noutra rede social; e, como diz, somos tratados como gado.
    O que eu não percebo é porque é que ninguém o fez antes, agora, se alguém pode ter os utilizadores de outro site, já não pode ser avaliado por esse número, e terá de ser avaliado pela sua capacidade de gerar rendimentos reais, por isso o modelo de financiamento do Facebook colapsa e, whoops, rebenta a segunda bolha tecnológica; estou curioso para ver o que acontece, porque esta é uma opinião pessoal.

  3. Não creio que nenhuma rede social possa importar dados dos utilizadores, penso que se baseia em acordos. O Netvibes, por exemplo, retira tudo do meu Facebook, mas penso que lhes foi dada autorização (eu também).
    Num outro artigo, afirmou que a Internet vai passar de moda. Penso que a Internet veio para ficar. Fenómenos como o Google, o Facebook e outras redes famosas vão passar de moda quando surgirem outras redes verdadeiramente inovadoras.
    Concordo que as aplicações que voltarão a revolucionar a Internet serão aquelas que têm inteligência artificial e são capazes de lhe dar o que precisa sem que o utilizador lhes diga. Outro avanço importante será a evolução dos microformatos para levar o seu perfil completo para onde quiser sem o preencher vezes sem conta.

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português