Não é altura de pensar

Estamos num momento ideal para agir. Os empresários e os intra-empresários têm um campo cheio de possibilidades mesmo debaixo do nosso nariz.

Se o troca Se a situação em que estamos imersos ainda não é óbvia para si, aconselho-o a parar de ler esta entrada, mas se já é óbvia para si, e não quer ler esta entrada, aconselho-o a parar de ler esta entrada. irreversível Recomendo que dê uma vista de olhos ao que as pessoas gostam Juan Freire, Tíscar Lara, o Sergio Montoro a nível nacional; e o que foi escrito no Manifesto Cluetrain há mais de dez anos, a partir dos Estados Unidos.

No entanto, vou resumir o que se passou até agora. O capitalismo está em crise, a droga do consumismo já não está a fazer efeito; a especulação sobre o valor das coisas levou a que um iPod valha mais dinheiro do que uma tonelada de trigo e, ainda por cima, compramos os nossos iPods a crédito (alavancagem). As viagens são cada vez mais rápidas e mais baratas, a Internet é quase universalmente acessível e o mundo tornou-se global, de modo que nos encontramos a viver com sete mil milhões de pessoas como nós e, evidentemente, queremos diferenciar-nos, deixamos de acreditar no que a televisão diz e queremos meios de comunicação mais humanos, mais pessoais; além disso, temos uma nova identidade, a digital, quer queiramos quer não. Em suma, estamos numa confusão porque a crise já não é económica, nem sequer cultural, mas de valores, tanto humanos como ambientais.

Tínhamos modelos de negócio estáveis, alguns para os grandes, outros para os médios e outros para os pequenos, até que apareceu a Google e estragou tudo. Acontece que um par de cromos criou em 15 anos uma das maiores empresas do mundo, dando tudo de graça, e o pior é que nem sequer sabiam onde iam ganhar dinheiro. Os modelos de negócio estão a mudar, mesmo à escala familiar, porque uma família continua a ser, de certa forma, uma PME.

As pessoas ficam perplexas e, quando se fala em mudança, acrescentam imediatamente a palavra crise e embelezá-lo com o adjetivo económico E não é assim, vá lá, nem toda a crise é económica. Quando explicas o teu ponto de vista, aparece a palavra "crise". Internet Também não é por ser uma das condições de fronteira alteradas que estão a moldar o Novo Mundo, mas não é de modo algum a única.

Apercebemo-nos de que não estamos sozinhos na criação e no consumo, pelo que temos de criar de forma colaborativa e responsável e temos de consumir de forma colaborativa e responsável.

Queres fazer parte disto ou queres que te contem?

Ah, já agora, o sofá onde estavas deitado já não existe. Se tentares voltar para lá e pensares que ainda lá está, podes levar uma tareia.


Comentários

2 comentários para "Não é altura de pensar”

  1. Javier,
    Infelizmente, o "sofá", se é que existe em Espanha, são as universidades, cada vez mais e em maior dimensão, que drenam os fundos de I&D e de educação para fazer edifícios vazios e projectos a que chamam tecnologia de base e que, muitas vezes, são programação em java, em plena concorrência desleal com as PMEs que começam a correr riscos reais.
    Sem ter a coragem de fechar o 70% das universidades em Espanha, nada se pode fazer.

  2. Javier,
    Infelizmente, o "sofá", se é que existe em Espanha, são as universidades, cada vez mais e em maior dimensão, que drenam os fundos de I&D e de educação para fazer edifícios vazios e projectos a que chamam tecnologia de base e que, muitas vezes, são programação em java, em plena concorrência desleal com as PMEs que começam a correr riscos reais.
    Sem ter a coragem de fechar o 70% das universidades em Espanha, nada se pode fazer.

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português