StartupSpain V. As primeiras conclusões

No início da primavera de 2011, surgiram as primeiras conclusões sobre o que era o ecossistema espanhol de startups e as suas necessidades. Depois de avaliar as acções existentes, tornou-se claro que não havia apenas uma falta, mas um excesso de acções das instituições públicas para os empresários.

O Ministério da Indústria identificou mais de 2.500 plataformas públicas e privadas dedicadas à promoção do empreendedorismo.

Blogue do Iñaki Ortega

As quatro conclusões da primavera de 2011 foram as seguintes:

  1. Cada instituição pode fazer as coisas separadamente, mas em conjunto irão mais depressa e muito mais longe.
  2. É necessário criar um ambiente favorável à inovação através da criação de empresas e não através da criação de atóis artificiais para a glória de uma instituição.
  3. Uma mudança de mentalidade como a que precisamos para nos tornarmos um país de arranque terá inevitavelmente de afetar o nosso sistema educativo.
  4. Será difícil colaborar, mas não tivemos escolha. As instituições têm de abdicar da soberania para construir uma marca de país emergente suficientemente forte para ser reconhecida em qualquer parte do mundo.

O apoio de que as empresas em fase de arranque necessitam pode ser resumido em duas palavras: ambiente e infra-estruturas. Por ambiente entendemos as regras do jogo, sobretudo a fiscalidade e a burocracia. Aqui, o pedido maciço é a eliminação de encargos e procedimentos nos primeiros meses de vida, para que a criação de protótipos e os testes possam ser efectuados de forma mais rápida e barata. Posteriormente, os projectos com viabilidade comprovada terão de passar pelo aparelho burocrático convencional.

Quando falamos de infra-estruturas, pensamos em três níveis: espaços, máquinas e relações. Por espaços entendemos a infraestrutura física, ou seja, um local para trabalhar e interagir, um espaço aberto à inovação, acessível e económico. Por máquinas entendemos servidores, impressoras, tornos ou termocicladores, ou seja, as ferramentas físicas que suportam a prototipagem. Finalmente, o ecossistema é construído através de milhares de interacções que geram relações estáveis; em muitos casos, a viabilidade do projeto depende disso. Aqueles de entre nós que já estão no ecossistema há alguns anos e já acumularam um bom número de relações podem ajudar os jovens empresários a criar redes, poupando-lhes muito tempo e trabalho.


Comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português