A iniciativa não é criada nem destruída, é apenas transformada.

A iniciativa é a chave para ser competitivo no século XXI, porque já não basta fazer bem o seu trabalho, mas é preciso estar empenhado, porque já não basta fazer bem as coisas, mas é preciso dar um passo em frente em relação aos outros, porque já não basta saber fazer alguma coisa, mas é preciso aprender constantemente, porque já não basta trabalhar, mas é preciso gostar do que se faz.

Neste século turbulento, um país só é tão bom quanto a iniciativa dos seus cidadãos, e isso ficou claro com o Americanos que vão dar vistos aos empresários que queiram ir para lá. Empreendedorismo não significa que se vai ter sucesso, a maioria das novas empresas acaba por falhar, mas significa que se tem iniciativa, só quem tem iniciativa empreende, por isso trazer empresários para o nosso país significa trazer pessoas com iniciativa, que são as que estão condenadas a governar este século.

Por outro lado, hoje custa mais reparar as nossas empresas do que criá-las de raiz; sei que é difícil ler isto, mas é melhor destruir e criar do que tentar reformar as estruturas produtivas do século XX.

Eu faço novas todas as coisas (Ap 21, 5)


Comentários

3 comentários para "”

  1. Avatar de jofegaber
    jofegaber

    Uma reflexão interessante, mas recuso-me a acreditar que não há possibilidade de rejuvenescer ou adaptar as velhas estruturas.

    Com os melhores cumprimentos

  2. O que é certo é que onde há empresários, há talento, e onde há talento, acabam por ser criados ecossistemas que geram mais empresários e, no final, riqueza.

    1. Juan, o talento é mais difícil de medir do que a iniciativa, mas, pelo que vejo, equipara os dois e eu concordo.

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português