Um ano sem fumar

Hoje é o meu primeiro ano sem fumar. Muito tempo antes, no verão de 2011, decidi dar uma volta à minha vida porque não estava contente comigo próprio e, mais ainda, não estava feliz. Durante vários meses, andei a mentalizar-me para que, quando deixasse de fumar, já tivesse feito todo o trabalho. Já estava há três anos sem fumar e sabia que não valia a pena fazer meias medidas e que também não ia ser fácil. Ou se fuma ou não se fuma. Devo dizer que achei o livro de Alan Carr muito útil.
Quando se deixa de fumar, ganham-se cheiros, dinheiro, autoestima, gostos... Também não quero convencer ninguém a deixar de fumar. Os fumadores já sabem o que se passa, tal como os ex-fumadores. Não usei adesivos, pastilhas elásticas ou qualquer outro substituto, até saí com os fumadores na rua para enfrentar a situação.
Não desisti de nada e agora gosto mais de tudo o que faço e tenho uma hora extra por dia porque estou menos letárgico e porque não passo o tempo a fumar.
Deixei de fumar porque me perguntei por que razão fumava e a resposta era óbvia: fumava, como toda a gente, porque estava viciado em nicotina.
Hoje a minha pele melhorou muito, hoje os meus pulmões aguentam 8 litros de ar, uma capacidade magnífica que me permite mergulhar um comprimento de piscina ao mesmo tempo, etc. Mas o melhor de tudo é que não tenho de ter vergonha de os meus filhos me apanharem com um cigarro na boca.

Deixar de fumar foi apenas o início da inversão do círculo vicioso para um círculo virtuoso. Um mês depois de deixar de fumar, decidi deixar de beber álcool e, pouco depois, decidi ser feliz no trabalho e... Mas falarei dessas coisas nos respectivos aniversários.


Comentários

Um comentário a "Um ano sem fumar”

  1. Avatar de jofegaber
    jofegaber

    Parabéns .... E agora que falas nisso... Talvez seja altura de seguir o teu exemplo...

    Com os melhores cumprimentos

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português