Revisão de Nascido para correr. Eu corro porque nasci para correr, e tu também.

Há poucos livros que eu releio. Born to Run, de Christopher McDougall, é um desses poucos.
É um romance que me tocou profundamente, mas não deixa de ser isso mesmo, um romance de viagens divertido e facilmente cativante, neste caso, conta as aventuras de Chris McDougall, um editor da revista Runners World, desde que lhe é diagnosticado que não serve para correr até acabar a correr provas de ultra-distância com menos vinte quilos.
No centro da história está a organização de uma corrida de noventa quilómetros através do terreno selvagem da Sierra Madre mexicana, na qual alguns dos melhores corredores de ultra-distância do mundo irão competir contra uma tribo de corredores de longa distância que correm com sandálias feitas de pneus velhos e longas saias de pano ou simplesmente tanga.
O autor apresenta-nos argumentos científicos e conclui que fomos concebidos para correr longas distâncias, e fá-lo no meio de uma história. Uma história que não nos parece verdadeira até procurarmos no Google os nomes das personagens principais e vermos, como tantas vezes, que a ficção supera em muito a realidade. Sem ir mais longe, o protagonista Caballo Blanco morreu há alguns meses quando corria com o seu cão, provavelmente devido a um dos súbitos desmaios referidos neste livro.
Born to run faz-nos compreender porque é que corremos corridas de longa distância e é simplesmente porque os seres humanos foram criados para isso.
Apenas censuro a tradução mexicana para espanhol e o facto de não se terem dado ao trabalho de converter as unidades do Sistema Imperial para o Sistema Internacional, pelo que se preparem para ler milhas, onças, jardas e libras. Confesso que me arrependi de o ter comprado em espanhol.
Qualquer pessoa que tenha experimentado correr longas distâncias - eu corri a maratona de Madrid sete vezes - sabe que correr nos faz felizes, gera endorfinas em grandes quantidades. É verdade que há medicamentos que nos dão facilmente algumas endorfinas, mas as que a corrida nos dá são de muito melhor qualidade. Verá também que na meta de uma corrida de longa distância só há sorrisos, as pessoas estão felizes mesmo que cheguem à meta a rebentar.
Born to run tem também uma filosofia por detrás, mesmo que não seja essa a intenção do autor. É uma ode à leveza que nos faz perceber como são estúpidos muitos dos ideais que regem a nossa sociedade.
Nascido para correr é, para mim, um livro essencial.


Comentários

2 comentários para "Revisão de Nascido para correr. Eu corro porque nasci para correr, e tu também.”

  1. Para nós, é também um livro essencial e tornou-se o nosso exemplo a seguir em matéria de exercício físico, mudou a nossa maneira de correr, a nossa maneira de praticar este desporto e de sentir que não há limites a não ser aqueles que cada um impõe a si próprio.
    Partilhamos totalmente a filosofia do livro, é verdade que correr nos torna mais felizes e nos ajuda a ver a vida com uma perspetiva diferente e mais positiva do que aquela a que estamos habituados na sociedade atual.

    1. Obrigado pelo seu comentário. Correr faz-nos felizes

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português