Porque é que as startups são as meninas bonitas do século XXI?

A globalização trouxe-nos duas notícias, uma boa e outra má: a boa notícia é que o mercado é agora enorme, mundial, global; a má notícia é que a concorrência também aumentou. Atualmente, é impossível competir sozinho; a colaboração e a transparência são as marcas deste turbulento início de século.

As empresas em fase de arranque estão mais bem adaptadas à incerteza atual, precisamente porque são mais propensas a mudar o seu produto - a mudar de rumo - e é por isso que a chave é a equipa empresarial e não o projeto: o capital de risco aposta no cavaleiro e não no cavalo. As empresas em fase de arranque são rápidas e leves; criam protótipos e fazem testes rapidamente num mercado com o qual estão constantemente a aprender.

A leveza, juntamente com a transparência e a colaboração, é outro dos paradigmas do nosso tempo e vai para além da forma de criar empresas. Ser leve implica não acreditar nos modelos de negócio estabelecidos; há muito a fazer em novos modelos de negócio, talvez mais do que na inovação tecnológica, porque cada nova iniciativa gera valor na sociedade, mas poucas empresas são capazes de capturar uma parte desse valor, como fez a Google com o seu Adwords.


Comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de correio eletrónico não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Português